Foto: Rick Nogueira

Cadê o espírito esportivo nas corridas de rua?

Escrito por

É graduada em Direito, professora e consultora ambiental, por opção. Triatleta, maratonista e Ironwoman. Aos 29 anos, sendo 10 dedicados a corrida (asfalto, cross e montanha) e 6 ao triathlon, sua maior paixão é enfrentar grandes desafios. Descobriu nas provas de longa distância sua vocação. Do esporte herdou a paciência, determinação e perseverança, as quais leva consigo em sua vida. Recentemente, transformou a sua própria mãe em uma das corredoras mais rápidas de sua faixa-etária. Impossível? Somente até você conseguir!

COMENTÁRIOS NO FACEBOOK

49 Comentários

  1. Fernando Moura disse:

    Quem corre com chip de outra pessoa esquece que tem gente que corre em busca de pódio na categoria ou sabe desse problema e não está nem aí. Sabemos que existe um comércio paralelo de inscrições quando a pessoa por algum motivo não poderá mais participar da prova. Já vi muita gente correndo com chip de outro atleta por que comprou ou ganhou de fulano que teve que se ausentar, mas na maioria das vezes essa pessoa não tem a mesma idade ou é de sexo diferente, o que causa o problema na classificação final. Acho que uma das ações para diminuir isso seria os organizadores permitirem a transferência oficial da inscrição, alterando o nome e dados do participante antes da prova. Agora, quanto à usar número antigo ou se inscrever na categoria de mais de 65 anos para pagar meia, aí esses são cara de pau mesmo…

    • Vivian Dombrowski disse:

      Olá Fernando,
      É uma excelente ideia a sua, quanto a transferência integral da inscrição. Certamente resolveria o problema de “correr com chip dos outros”.
      O problema é sempre há as maçãs podres, em qualquer meio. Quem está mal-intencionado vai arrumar um jeito de trapacear de qualquer forma… Aí é educação e respeito de cada um
      Obrigada pela visita!
      Abs

  2. Adolfo disse:

    Vivian, uma ideia é adotar por aqui o que existe na África do Sul: o número único.

    Cada corredor tem seu próprio número (que na verdade tem também letras) e é utilizado em todas as provas.

    Resolve o problema do pódio, não dos pipocas.

  3. Lily disse:

    Ótima matéria.
    Já passei por algumas situações desagradáveis em algumas provas. Em questão de pódio, atletas que teriam que ser desclassficados por agir contra o regulamento da prova e outras coisas que foram publicadas nesta matéria.

  4. Dilvis disse:

    Eu já corri e com certeza vou participar mais algumas de pipoca. Compreendo a situação daqueles que querem levar vantagens sobre o evento e quanto a isso também sou contra. Participei umas 2 corridas de pipoca, mas não atrapalhei ninguém e pelo contrário até ajudei e incentivei a pessoa chegar com gás no final.
    Quando de pipoca, largo atrás, dou passagem e corro na lateral para não atrapalhar o povo. Como todos sabem, as corridas rústicas viraram puro comércio e arrecadação de dinheiro, não culpo as empresas por isso, pois quem vai trabalhar de graça e não vai querer ganhar dinheiro?
    Antigamente as corrida eram de 10 a 30 reais, participava quase de todas, hoje, me desculpem se tiver errado, mas quantas corridas realmente estão preocupadas em fazer as pessoas correrem pelo bem estar, pelo esporte e pela divulgação? Quantas corridas hoje esta no alcance daqueles que não possuí condições para pagar 4 corridas por mês? Onde que essas pessoas que não possuí condições vão correr, quem vai dar suporte e parar transito para ela poder treinar? Com certeza ela vai ter q ir num parque onde terá que ficar desviando, pulando, parando e desistindo de correr, pois são tanta gente, animais, bicicletas, patinetes, etc nesses lugares que desanimam qualquer um de realmente correr para se superar.
    Sou contra os pipocas que querem medalha, troféu e atrapalham aqueles que estão inscritos, mas vamos lá, como acima citado, a corrida é pública, quem normalmente da suporte aos corredores são a polícia, o bombeiro, o detran que por sua vez, são órgãos do governo, sem falar normalmente nos patrocínios da prefeitura, e outras entidades que normalmente estão patrocinando exatamente para divulgação e espaço para pessoas se desafiarem.
    Não corro com números antigos, não pego isotônico, não pego medalha e nem troco chip com ninguém. Mas aproveito quando dá e quando posso de corridas que gostaria de participar e não tenho condições, pois hoje as corridas estão para elites e para aqueles que só correm.
    Já passeio horas procurando fotos minha, nem que fosse aquelas que só aparecesse a cabeça, pois isso pra mim já é meu troféu, minha medalha e minha gratificação por ter conseguido concluir uma prova, um desafio.
    Compreendo aqueles revoltados, pelos que desvalorizam a imagem e o caráter, mas nem todos fazem isso.

    Um abraço a todos e boa corrida!

    • Vivian Dombrowski disse:

      Dilvis,

      Exatamente, não é regra. O que assusta é o número crescente de pessoas fazendo isso, que usam da má-fé para se aproveitar da prova ou pegar pódio.
      Isso, infelizmente, é chato e desagradável.

      Obrigada pela visita!
      Abs e bons treinos!!

    • Carlos disse:

      Muito boa sua colocação, correr pelo momento, não usar de má fé e ainda abrilhantar a corrida não faz mal a ninguém.

  5. Ednei Ferreira Gonçalves disse:

    Achei sua coluna um pouco irreal, por alguns motivos:

    qual o real objetivo das corridas de Rua? desenvolver a prática esportiva? certeza?
    Acho q os organizadores esquecerem isso, querem somente faturar e viram que este nicho da um grande rendimento e estão explorando comercialmente o interesse público.
    creio que há meios de evitar o pipoca, primeiro barateando as inscrições.
    segundo, montando vários tipos de KIts, adequado para a realidade de qualquer corredor, financeiramente falando.
    pra evitar que os pipocas atrapalhem a corrida dos pagantes…..monte zonas vips conforme o valor do Kit adquirido……
    afinal, os organizadores estão ganhando dinheiro em cima de vias públicas, ou seja, se quiser privacidade de acesso…..basta locar espaços particulares para realização dos eventos….
    a dona desta coluna não deve apreciar o esporte, tem visão comercial como os demais donos de empresas esportivas……o financeiro vem acima do objetivo do esporte……não sou contra cobrar, desde que seja justo…..não sou mal caráter….mas se eu vejo que o preço é EXORBITANTE…corro como pipoca sim……
    acho q o lucro, as empresas podem tirar com os patrocinadores do evento e não em cima dos praticantes…..contratem equipes de marketing e terá retorno esperado….

    respeitem o publico. e serão respeitados…simples assim..

    • Geraldo Angolano disse:

      Ednei, vc leu a coluna?

      Ela não se colocou contra a correr na Pipoca, e sim, usar artifícios para lubridiar a prova e conseguir recursos que só que pagou deveria ter direito, como aguá, medalhas e a facilidade de se achar em fotos pelo número…

      S.A.V

      • Regina Aparecida Sass Marques disse:

        Parabéns VIVI, pela matéria. Na minha opinião quer ir na festa tem que pagar pelo convite. Acho extremamente desagradável os PIPOQUEIRO, falta de respeito com quem pagou pela prova e pelos organizadores. Se ganham ou não dinheiro com as provas esta não é a questão, afinal eles pagam para dar estrutura e segurança aos participantes. Então quer correr no domingo vá, mas não aonde está reservado para uma competição. Interessante tantos lugares para correr os PIPOQUEIROS querem ir bem aonde está preparado para quem pagou para usufruir… ah me poupe né…. SAV

    • Mira disse:

      O cara nem leu a coluna rsrsrs fanfarrão mesmo…..ela nao e contra pipoca e sim contra pessoas q querem levrar vantagem o pipoca de hoje paga a inscrição amanha.Leia o posteeeeeee

  6. Diego disse:

    Cada coisa heim Vivi? putz, tem gente mau caráter em todos os lugares.
    Eu não concordo em correr de pipoca, acho muito “palha”. Se não tem $ para pagar a inscrição vá correr em outro local, em outro dia…se gosta tanto de correr, apenas corra, deixa a prova para lá e não fique no mimimi de que corrida tá cara que correr todo final de semana fica fora do orçamento. Eu corro todo final de semana, ou seja, eu treino e é de graça. Provas só aquelas que valem a pena! Gente fominha por prova e que ainda não quer pagar é o fim da picada.
    Abraço! E pipoca minha gente, só no cinema! :)
    Diego

    • Vivian Dombrowski disse:

      Pois é Diego…até isso tem agora!!
      Suas palavras foram bem pertinentes..
      E quem quer medalhas e fotos, que pague por isso, afinal é um serviço colocado a disposição da população.
      Abração!!

  7. Anizio Lopes (Corredor Endorfinado) disse:

    Primeiro que tudo, meus parabéns pela postagem. Esse assunto, ainda, vai dar muito mais no que falar!

    Aqui em Recife e Região também temos essa praga. As evidências citadas no post, parece mais que foram colhidas por aqui.
    Outro dia fiz umas fotos da Corrida das Pontes e notei que, mais da metade era PIPOCA.
    Aconselho sempre os corredores amigos para não fazer uso dessa modalidade. É FEIO MESMO. E muitos ainda acham uma atitude natural.
    Reproduzirei o post no meu blog Corredor Endorfinado!

    • Vivian Dombrowski disse:

      Oi Anizio!!
      Pelo jeito a bandidagem está correndo todo o território nacional. Que pena… Fiquei sabendo de tanta coisa depois de post que não imagina que o ser humano fosse capaz…
      É importante trazermos a tona essa questão…Assim os corredores que respeitam a prova ficam alertas, empresas e fotógrafos não são prejudicados.
      Pode reproduzir sim.

      Um abraço!

    • Alcieros Martins disse:

      Falta dizer, Anísio, que nesta corrida das Pontes provavelmente pelas tantas “pipocas” a água acabou e todo mundo virou camelo.

  8. Guilherme Moncks disse:

    Olá Vivian!
    Ótimo teu texto, como de praxe :)
    Sou contra os pipocas também, assim como o colega Diego. Treinar na rua, na hora e quando quisermos é livre e de graça. Participar de provas não, é preciso participar em todos os sentidos, inclusive no ônus do pagamento pela inscrição. As provas devem ser incentivadas, e para isso é fundamental a participação regular, ou seja, devidamente feita a inscrição e o pagamento da taxa. Isso permite que os eventos se qualifiquem cada vez mais.

  9. Cassius Coelho disse:

    Vivi é isso ai. A maioria dos que reclamam dos preços das corridas não fazem a mínima ideia do custo que é pra fazer uma corrida e o trabalho que esse negócio dá.
    Resolvemos em 2011 fazer uma corrida por uma entidade que participo e vi como é difícil. Uma corrida média, sem grandes estruturas e kits recheados não sai por menos de 100 reais de custo por participante, e as inscrições normalmente só pagam de 30 a 40% do custo, o restante tem de vir de patrocínios que estão cada vez mais difíceis para a maioria das corridas.
    Com essa de correr de pipoca, quem acaba pagando a conta deles? Os que irão correr pagando, porque os organizadores precisam prever um contingente a mais de corredores e colocar no custo, não tem milagre.
    E essa de que se usam serviços públicos e patrocínios fosse desculpa, também poderíamos entrar em jogos de futebol, shows etc sem pagar não é mesmo?
    Também estou com o Diego, quem quer correr corre e não fica de mimimi. ;)) Abraço vc anda sumida.!

    • Fernando Moura disse:

      Cassius, também sou contra os pipocas, a prova é um evento privado que visa o lucro do organizador, quem acha que o preço é justo vai lá e paga, ninguém é obrigado a correr.
      Mas eu discordo de você quando fala que o custo por participante não sai por menos de R$ 100,00, também já busquei saber os custos de uma prova e só chegaria nesse valor se fosse uma prova VIP (com poucos participantes), o que não é o caso das provas mais conhecidas. Os preços estão abusivos sim, mas acho que o melhor protesto aos preços abusivos é o boicote as provas, esvaziando as mesmas, e não a presença na pipoca.

    • Vivian Dombrowski disse:

      É Cassius, esse é um problema grande.
      Embora as grandes organizações tenham apoios e patrocínios, muita coisa advém do valor das inscrições.
      Mas lucros/dividendos das empresas é outra questão. O respeito ao colega ao lado é o mais importante. Trapacear, enganar, usar de má-fé, isso tá longe de ser esportivo, né?
      Sumida nada, to sempre aqui :)
      Abração!!!

  10. Aline disse:

    oi Vivi. Gostei muito do seu post. Não sabia dessa nova modalidade de pipoca mas ja conhecia esse plano de falcatrua pra podio.

    Em relação ao podio, ja tive uma experiencia assim. Vc sabe mto bem. Acho mto valido q a empresa se responsabilizar por essas coisas … mas acho q o maior responsabilizado deve ser o corredor. Afinal é ele que vai la com o chip de outro, ainda mais pra pegar podio, aonde normalmente rola uma grana e o trofeu. Utilizando conscientemente de má fé! Isso sim é q nao pode acontecer. Tds nós temos etica em nossas profissoes (ou deveriamos ter) pq não ter aonde deveria ser lazer ??

    bjss

    • Vivian Dombrowski disse:

      Aline querida!
      AS pessoas acham que por ser “lazer” tá tudo liberado…e não é assim né? Ética e respeito tem que vir de casa, independente da atividade que vai se exercer.
      As corridas cresceram muito e talvez tenham que se adequar a algumas situações “novas”. Diretrizes, normatizações mais sérias, enfim, estabelecer medidas de conter pessoas que só querem prejudicar os outros.

      Brigaduuuu pelo comentário! Bjo grande!

  11. simone vieira disse:

    Olá,
    Talvés as provas adotarem cada ano uma cor de numero ajudaria. Muito chato tudo isso.. infelizmente.
    Grande abraço!
    correndoerenascendo.blogspot

  12. Alberto disse:

    Vivian, você ainda não conhece as pessoas que fazem a inscrição com os nomes dos pais para pagar meia (lei do idoso). Atrapalham também a premiação por faixa etária. Tem muito disso aqui em sampa.
    Abraço

    • Vivian Dombrowski disse:

      Alberto,
      Choquei. Tem isso também??? Que horror…
      Ser humano me decepcionando cada vez mais… E é questão de tempo para a praga se alastrar Brasil afora. Infelizmente.
      Abraços!

  13. Tarciso disse:

    pqp… eu sempre digo q o pior do Brasil é o brasileiro. REportagens como essa só dão mais razão à essa frase. Por isso estou gostando cada vez mais de fazer minhas corridas ‘stand-alone’, sem estar inscrito em evento nenhum, apenas calço meus tênis e saio correndo para onde o nariz aponta… e o nariz desse q vos escreve aqui aponta longe viu.. kkkkkkk nunca concordei com correr como pipoca por dois motivos:
    A rua é de graça, e além da rua onde está ocorrendo o evento, há milhares de quilometros livres e desimpedidos onde eu posso correr sozinho e sem muvuca atrapalhando;
    Se o objetivo é protestar contra os preços das inscrições. ir lá e aumentar o público do evento é no mínimo, uma demonstração completa de falta de inteligência. Se está achando caro, não vá, não comente, nem toque no assunto.

    Na minha visão Todo pipoca está querendo levar vantagem e a maioria tenta beliscar uma fruta no final e muitos tentam pegar medalha sem estar inscrito. Tenho nojo desse povo.

    • Aline Carvalho Aline Carvalho disse:

      Hehehehe… Brasil tá virando Paris: adoro o local, só o povo que atrapalha!
      Concordo com tudo o que falou, exceto uma coisa: há locais no Rio que raramente podemos correr porque costumam estar com movimento de carro frenético! Nestes locais, quando tem prova, a prefeitura fecha.
      Ou corremos nos dias de corrida ou não corremos nunca!
      Eu sou autista e a minha fase de “precisar” de gente por perto passou há tempos. Acho que há uns 8 anos que não faço prova de 10km. Participei de raras corridas de 21k. Fiz maratonas e ultras de lá pra cá.
      Eu não vou na Pipoca e até fujo dos locais de prova. Mas DESDE QUE não disputem por espaço NEM ousem usufruir da estrutura, não vejo mal em passarem pelo mesmo asfalto.
      Eu não sou fã de provas há tempos. Treino pelo treino.
      Como estou numa fase de fazer as pazes, acho que vou até fazer uma prova de 10k!

    • Vivian Dombrowski disse:

      Totalmente de acordo, Tarcisio. Não quer pagar, não vai e pronto.
      E realmente protestar indo na pipoca é muito infeliz. Melhor não ir.
      Eu mesma evito locais de prova quando vou treinar. Mudo o caminho, vou para o parque, trilhas. Se não concordo com o valor ou estrutura, não é cedendo minha imagem a ele que irei “protestar”. Pelo contrário, o organizador ainda dirá: “reclama mas vem”.

      Olha, to começando a pensar que o pior do Brasil é o brasileiro mesmo…jeitinho pra tudo, inclusive pra trapacear e enganar.
      Abraços!

  14. Priscilla Picasky da Costa disse:

    CHINELAGEM DO CARALEOoo…. Meu que ridículo isso!!! Fala sério!!! Fiquei de cara com o relato dessas malandragem… que graça tem vc pegar um pódio se lá no fundo vc sabe que não tem capacidade de completar o percurso naquele determinado tempo???!!! Meu que horrível isso a pessoa se expor a um papel tão sujo desses não pode ser um atleta de jeito nenhum, só se bandidagem virasse um esporte!! affff

  15. Hernani disse:

    Não sei só opinando: se oficializassem os pipocas; na última baia, sem usufruir de nada (numero, agua, camiseta medalha, foto etc), apenas pra iniciar-se, acompanhar ou treinar corrida. nunca fui nem irei, mas há muita justificativa válida…

    • Vivian Dombrowski disse:

      Hernani,
      O pessoal não respeita nem baias por tempo, mesmo inscritos, aqui no Brasil. Quem dirá não inscritos… mesmo assim seria uma ideia a se pensar…
      Trapacear, correr com chip de outro, com numero velho..não sei se tem justificativa não. Não quer pagar, não vai. Usar numero antigo pra poder ganhar medalha de finisher? Desrespeita que pagou para usufruir daquilo tudo.
      Obrigada pelo comentário!

      • Ricardo Santos disse:

        Só um detalhe, Vivian… o pessoal não respeita baias por tempo em vários países, não é “exclusividade” do Brasil. Esse papo de trapacear em corrida, como em vários outros esportes não é “exclusivo” do Brasil… essa mania da grama do vizinho é difícil demais… Já corri, até hoje, em 09 países diferentes e, em todos, escrevi, em todos, vi essa prática…
        O único ponto que estou colocando é que NÃO É SÓ NO BRASIL que tal prática acontece, no restante, concordo em gênero, número e grau.
        Abs

  16. Aline Carvalho Aline Carvalho disse:

    É o fim dos tempos!!! Cortar caminho em provas, usar número de outro, andar no vácuo…
    Dureza!
    Mas em relação à pipoca, acho que não tem problema correr no mesmo percurso, desde que não use a estrutura da prova e não atrapalhe o fluxo.
    Bom senso é uma boa!

    • Vivian Dombrowski disse:

      Pois é Aline…
      Se a galera usasse bom-senso e tivesse respeito, todos conviveriam em paz.. Mas pra mim isso é utopia já..hahaha
      Bjs

  17. Joelson de Lima disse:

    Olá Vivian, muito providencial seu tema, inclusive, se me permite, o custo das provas de corrida em Curitiba é um absurdo, principalmente porque os patrocinadores arcam com boa parte do custo para mostrar sua marca. Mas isto tem feito com que aumente a quantidade de “pipocas” nas provas. Sinceramente sou extremamente contra isto, MAS para os patrocinadores é bom. COMO ASSIM ??? Veja bem, mais picocas, maior volume de corredores nas provas, mais mídia, maior exposição da marca, concorda?
    Enfim, mais um motivo para não ser pipoca: BOICOTAR as provas caras e fazer com que a prova fique vazia !!!
    Que acha?
    Abs
    Joelson

  18. Fábio disse:

    Bom dia a todos!
    Que legal esse espaço democrático onde todos podem expressar sua opinião com respeito…….. Não concordo com qualquer tipo de leviandade….. Mas não podemos esquecer que o maior responsável por uma corrida é a organização…Eles tem o dever de organizar, premiação, hidratação, etc, etc…… Se uma pessoa “roubou” ou ocupou o pódio irregularmente, correu com o numero de um evento passado, é o dever da organização fiscalizar……… Essas coisas acontecem por que não há fiscalização…… Cobram preços exorbitantes e não dão o mínimo de valor para aquele que correu correto e suou a camisa para subir ao pódio ou receber sua medalha de participação……… Acho que o foco teria que ser na organização e não no “infeliz” que usa desses artifícios………… Temos que parar com essa “babaquisse” de papo de pipoca (não sou a favor e nem contra) cada um sabe de seu valor e é responsável pelos seus atos……..Temos que ir no foco, cobrar e julgar dos organizadores, esses sim, são os grandes responsáveis por todas essas irregularidades… Jogam sempre a culpa no pipoca ou no leviano que quer se dar bem ….. Só falta agora eles jogarem a culpa no corredor por não fiscalizar a corrida………

    • Daniel X. disse:

      Concordo! Usei praticamente as mesmas palavras aqui:
      Apartheid nas Corridas de Rua
      target="_blank" href="http://reviewrun.blogspot/2013/04/apartheid-nas-corridas-de-rua.html" rel="nofollow">http://reviewrun.blogspot/2013/04/apartheid-nas-corridas-de-rua.html

  19. Daniel X. disse:

    Gostei muito do ponto de vista do Rick Nogueira. Porém, eu não ousaria expôr fotos de “trapaceiros” para constrangê-los. Vai acabar gerando problemas para si mesmo. Tentar consertar um erro com outro, talvez até mais grave:

    “Código Civil – DOS DIREITOS DA PERSONALIDADE – Art. 20. Salvo se autorizadas, ou se necessárias à administração da justiça ou à manutenção da ordem pública, a divulgação de escritos, a transmissão da palavra, ou a publicação, a exposição ou a utilização da imagem de uma pessoa poderão ser proibidas, a seu requerimento e sem prejuízo da indenização que couber, se lhe atingirem a honra, a boa fama ou a respeitabilidade, ou se se destinarem a fins comerciais.”

    Detectou irregularidades por parte de corredores? Denuncie. Faça um boletim de ocorrência, etc.
    Aqui em BH, uma amiga expôs na rede social mais usada pelos brasileiros, a foto de um cara que correu com chip de mulher. A repercussão foi grande. Trouxe constrangimento ao cidadão que, respondeu que já estava acionando o judiciário. A foto foi retirada e não acompanhei mais o caso.

    É como eu disse: detectou crime/infração? Denuncie. Se ficar querendo comprar briga de organizador para “mostrar serviço”, pode levar um grande problema p casa.

    Sou contra a atitude do cara que correu com chip de mulher (e pegou o troféu, o que mostra falha por parte da organização tb), mas tb sou contra o uso indevido da imagem, que pode gerar uma boa indenização…

    Fiscalizar eventos é um serviço do qual já pago para que seja realizado qdo faço uma inscrição…

    • Daniel X. disse:

      Ah, mais uma ótima matéria. Divulgando!

    • Rick Nogueira disse:

      Olá Daniel!

      Obrigado pelo comentário no post. Suas colocações são excelentes, e é justamente por esses motivos que não tenho intenção de expor os indivíduos que fazem isso.

      Porém, não cabe denúncia, já que o cidadão não está cometendo nenhum ato ilegal. Da mesma forma que eu não publico as fotos desses “camaradas” no nosso site, cabe o controle da prova, a vistoriar a entrega de medalha, frutas e outros.

      Grande abraço,
      Rick

  20. Ricardo disse:

    Pipoca é penetra! E “ludibriadores” cometem crime de falsa identidade! Simples!

    • Daniel X. disse:

      Ricardo, Vc está querendo dizer “falsidade ideológica?”. Bem, devo lhe informar que seu conceito está errado, de acordo com a Lei.

      Penetra? talvez sim. Mas penetra de quê? da rua?…

      • Vilarinho disse:

        Não vou entrar no mérito se a conduta dos ‘pipocas’ constitui fato criminoso.
        Apenas gostaria de ressaltar que nem tudo o que é público, é de uso de todos, ainda que transitoriamente.
        A Carta Magna protege o direito de ir e vir, porém os organizadores obtém alvarás e autorização dos órgãos competentes, permissão para bloqueio de vias etc. Assim, penso que o direito de ir e vir não está sendo lesado durante a realização de uma prova. O controle é necessário para o bom andamento da prática desportiva, justa premiação dos vencedores e prestação dos serviços contratados por aqueles que efetivamente pagaram pela inscrição (contraprestação devida aos inscritos).
        Ademais, caberia toda uma discussão acerca do direito daqueles que pagaram pela prestação de um serviço e, em razão da ação de pessoas que acreditam ter o direito de fazer o que bem entenderem, acabam lesados e prejudicados.

        Espero ter sido claro e que meu comentário não seja considerado ofensivo, pois não foi este meu intento.

        Abraços e seguimos treinando.

        Rafael Vilarinho

  21. Danilo disse:

    se for comprovado que o camarada correu com o numero e chip de outra pessoa , poderá ter alguma punição pra quem correu e pra quem forneceu o chip?

  22. luciane casanova disse:

    Ao meu ver responde aquele que correu com chip de outrem por falsidade ideológica.

  23. Elizabeth Miranda disse:

    Pessoal, bom dia! Vi comentários bons e outros nem tanto, mas o que posso dizer no meu entender é que os casos comprovados de pessoas que usam ilicitamente o chip ou o kit de outro atleta devem ser encaminhados para uma delegacia pois até onde sei isso é uma contravenção.
    No caso de pipocas não veja realmente como um grande problema pois os espaços apesar de fechados são ruas de acesso a população, pensando até que os moradores por causa das corrida tem seus acessos impedidos, então temos outro ponto de vista neste sentido.
    No inicio de 2016 comecei a correr pagando a maioria das corridas, mas já corri de pipoca e não lesei nenhum participante quanto aos direitos da inscrição, e como eu diversos corredores que fazem a mesma coisa, pagam uma corrida e correm outras de pipoca, pela simples vontade de correr pela saúde. Tema polêmico, mas o qual devemos abrir nosso olhar.. Abraços a todos e boas corridas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também...