Carta al ego

Ser, ter ou parecer

Escrito por

Aline Carvalho Engenheira por formação, triatleta por opção, dotada de uma mente inquieta típica de filósofos, com grande paixão pela leitura. Tem a psicologia como força motriz de suas relações. Executiva de uma empresa multinacional, concilia sua rotina estressante no trabalho com seus treinos para provas de longas distância, que vão desde maratonas e ultras até Ironman. Conserva um sonho arrojado: disputar o RAAM, uma prova de ciclismo tida como uma das provas mais difíceis do mundo. Em seu curriculo esportivo contam 13 maratonas, 3 ultras, 1 meio Ironman e 2 Ironman. A sua maior emoção no esporte foi completar Comrades Marathon.

COMENTÁRIOS NO FACEBOOK

5 Comentários

  1. Elen disse:

    Incrível a sua capacidade de escrever o que se passa e as conclusões em que a maioria deveria chegar (não vou dizer todos porquê acho impossivel). Se for possivel assinar embaixo, minha assinatura ja esta lá.rs.
    Fico sempre esperando o próximo texto.
    Parabéns pela postura de ser.

    Um abraço!

    • Aline Carvalho Aline Carvalho disse:

      Oi, Elen!

      Generosa, como sempre! Obrigada pelo carinho.

      São pessoas como você que me fazem ter a certeza que o ser humano vale a pena, que investir tempo em autoconhecimento vale a pena e que a minha vontade é ímpeto de ajudar as pessoas de alguma forma (apoiar um despertar) vale a pena.

      Se eu pudesse pedir um dom à vida, pediria para conseguir acordar as pessoas, a fazer com que elas se percebam e se libertem de amarras que fazem mal a elas e, consequentemente, aos outros.

      Apareça sempre!

      Um beijão!

  2. Fabio disse:

    A análise da sociedade é extremamente correta. É a mesma que eu observo.
    Discordo, porém, quando você associa o mesmo comportamento à atletas profissionais. São situações diferentes, como premissas diferentes e objetivos diferentes.

    • Aline Carvalho Aline Carvalho disse:

      Oi, Fabio!
      No texto em nem citei os atletas profissionais, eu acho. O foco foi falar do doping em amadores.
      Vou escrever um texto sobre o como vejo o caso específico do Lance. Quando o associei a este post, não me referia ao doping em si. Referia-me ao que ele fez “na vida”.
      Minha opinião em relação a doping era a mesma que tenho em relação ao vácuo: ou proíbe e dá um jeito de punir ou libera. Depois que li o relatório da investigação sobre o caso Lance, minha opinião mudou um pouco. Um pouco. Vou escrever especificamente sobre o Lance é voltamos a falar dele.
      Gostaria de entender melhor seu posicionamento em relação aos profissionais que se dopam. Se você entende como “faz parte do esporte”, tendo a concordar com você que eu não deveria misturar as coisas.
      Mas supondo que eu concordasse com esta visão, penso que o atleta deveria batalhar pela mudança da lei / regra, não simplesmente descumpri-la. Vou além: tenho verdadeiro desprezo pelos atletas que desrespeitam as regras (doping, vácuo…) e ficam fazendo campanha contra doping e vacuo. E este foi o caso Lance. Estes entram no “parecer”.
      Faz algo errado? No mínimo, mantenha-se MUDO ou, no melhor dos casos, brigue para mudança nas regras.

  3. Hélio Shiino disse:

    Curioso e ao mesmo tempo bacana trocar idéias com pessoas que pensam como nós pensamos. (risos)

    Não irei além de 1 lauda de comentário para não ser passado como chato e antipático porque esse é um tema que falo e muito.

    O parecer é um dos ingredientes que determinadas pessoas fazem uso para poder sobreviver neste “Mundo” que elas se dispuseram a entrar. – “Pague para entrar, reze para sair”. E que por sinal é o título de um filme mas que seu enredo tem nada a ver com o tema do post.

    Entrou neste Mundo e a coisa rola como uma Bola de Neve.

    Ou você se “Parece” e pertence a esta Roda ou você É e se sente desconfortável vendo tudo isso de fora deste Redemoinho.

    Todos nós sabemos que o estado “parecer” é totalmente efêmero. Imagine o quanto de “leão terão que matar todos os dias” para que o “parecido” de ontem seja o “parecido” de hoje e que terá que ser o “parecido” de amanhã.

    Ler e estudar Filosofia nos traz inúmeros benefícios, mas também alguns malefícios. O malefício é a angústia que sentimos por estarmos próximos da vivência das várias facetas do ser humano e do que ele é capaz de fazer.

    Aline, os sonhos, as letras de músicas, os textos entre outros, surgem de nossas cabeças a partir das tormentas e das ansiedades que passamos no nosso dia-a-dia. Eu não lhe perguntarei mas eu acho que para você ter escrito seus últimos posts é porque alguma situação do seu cotidiano está lhe causando muito desconforto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também...