1410045563

Quem te move?

Escrito por

Aline Carvalho Engenheira por formação, triatleta por opção, dotada de uma mente inquieta típica de filósofos, com grande paixão pela leitura. Tem a psicologia como força motriz de suas relações. Executiva de uma empresa multinacional, concilia sua rotina estressante no trabalho com seus treinos para provas de longas distância, que vão desde maratonas e ultras até Ironman. Conserva um sonho arrojado: disputar o RAAM, uma prova de ciclismo tida como uma das provas mais difíceis do mundo. Em seu curriculo esportivo contam 13 maratonas, 3 ultras, 1 meio Ironman e 2 Ironman. A sua maior emoção no esporte foi completar Comrades Marathon.

COMENTÁRIOS NO FACEBOOK

7 Comentários

  1. Hélio Shiino disse:

    – Afaste-se de forma definitiva de quem não vale a pena, exclua, bloqueie e jamais se permita pensar, muito menos dedicar seu sucesso eles!
    Bom mesmo é estar perto e ter dentro da alma quem vibra, torce e se emociona com a gente. –

    Sabe que eu pensava assim também??? Cheguei a conclusão que coisa ruim estará em todo lugar por mais que a gente queira vê-las bem longe. E quando a gente menos espera e se esbarra com essas pessoas, o incômodo toma conta da gente.

    Fugir de pessoas assim é utopia! Praga existe em qualquer lugar! Não há saída.
    O jeito que eu dei é encará-las de uma outra maneira.
    Eles são nossos Professores! Eles por perto:
    – Ensinam-nos a trabalhar a nossa paciência, tolerância e resiliência.
    – Ensinam-nos que são pessoas como elas é que não queremos nos tornar.
    – Ensinam-nos que cada pessoa sempre dá o melhor de si para o outro, e se eles dão energias negativas é porque é o que de melhor que eles tem para dar.

    Acho até bom que estas pessoas problemas existam por perto sabia? Ausência de problema seria um tédio. Existência de problema nos faz exercitar a capacidade de resolvê-las.

    “O rio atinge seus objetivos, porque aprendeu a contornar os obstáculos.” (Lao Tsé)

    P.S. Essa foto de seu avatar foi tirada na Praia Vermelha?

    • Aline Carvalho Aline Carvalho disse:

      Oi, Hélio! Bom vê-lo por aqui!
      O próximo post será mais ou menos nessa linha: as almas sebosas não tem salvação?
      A mensagem deste post era chamar a atenção para o mau uso das energias. Se há energia boa, positiva, construtora, por que dá luz ao que não vale a pena?
      Por outro lado, você está certo: eles estão em todos os lugares, temos que ser capazes a lidar com eles. No meu caso, tomo estas pessoas como “missão”: gosto de ajudar a perceberem o que estão fazendo porque acredito verdadeiramente que a bondade é um exercício de autoconhecimento e de amadurecimento.
      Penso que há mais pessoas potencialmente boas que pessoas desgraçadamente más. Minha missão na vida é ajudar as pessoas neste caminho, é o que eu entendo.
      Não associo maldade com problemas. Pessoas com problemas são sempre bem-vindas. Falo de pessoas que desejam o mal. Estas temos sempre que manter uma distância. Quando falo isso, refiro-me a não as usar como alimento ou perturbação na vida.
      Certamente, podemos colocar energia para ajudar estas pessoas, sempre respeitando o nosso limite. Acho que não podemos tudo e também acho que há os sem salvação! Kkkkk
      Hermann Hesse diz que “nada posso lhe dar que já não esteja em você.”. Concordo com ele.
      Vejo minha atuação na vida como “apoio para o despertar”. É nisso que foco nas minhas interações. Tão mais pessoas despertas, mais pessoas capazes de buscar sua felicidade e mais pessoas com ferramentas pessoais para exercício da bondade.
      Bom dia!
      Sim, a foto foi na Praia Vermelha!
      Vou escrever o próximo!

  2. Aline Carvalho Aline Carvalho disse:

    Oi, Hélio! Bom vê-lo por aqui!
    O próximo post será mais ou menos nessa linha: as almas sebosas não tem salvação?
    A mensagem deste post era chamar a atenção para o mau uso das energias. Se há energia boa, positiva, construtora, por que dá luz ao que não vale a pena?
    Por outro lado, você está certo: eles estão em todos os lugares, temos que ser capazes a lidar com eles. No meu caso, tomo estas pessoas como “missão”: gosto de ajudar a perceberem o que estão fazendo porque acredito verdadeiramente que a bondade é um exercício de autoconhecimento e de amadurecimento.
    Penso que há mais pessoas potencialmente boas que pessoas desgraçadamente más. Minha missão na vida é ajudar as pessoas neste caminho, é o que eu entendo.
    Não associo maldade com problemas. Pessoas com problemas são sempre bem-vindas. Falo de pessoas que desejam o mal. Estas temos sempre que manter uma distância. Quando falo isso, refiro-me a não as usar como alimento ou perturbação na vida.
    Certamente, podemos colocar energia para ajudar estas pessoas, sempre respeitando o nosso limite. Acho que não podemos tudo e também acho que há os sem salvação! Kkkkk
    Hermann Hesse diz que “nada posso lhe dar que já não esteja em você.”. Concordo com ele.
    Vejo minha atuação na vida como “apoio para o despertar”. É nisso que foco nas minhas interações. Tão mais pessoas despertas, mais pessoas capazes de buscar sua felicidade e mais pessoas com ferramentas pessoais para exercício da bondade.
    Bom dia!
    Sim, a foto foi na Praia Vermelha!
    Vou escrever o próximo!

  3. Rafael disse:

    Muito bom Aline

  4. Rommel disse:

    Adorei o texto!!! E bem escolhida a foto final, pessoas do bem, família nota 1000!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também...